Inkoma

Mixtape celebra o rock baiano dos anos 1990 com demo tapes

É verdade que só no Brasil se comemora o Dia do Rock. É verdade também que aqui no país a data virou uma boa desculpa para se falar num dos gêneros musicais mais importantes do mundo. No el Cabong, o rock é presença constante, mas vamos aproveitar a data para falar mais um pouco. Na real relembrar, reviver o rock baiano de outros tempos. Numa parceira com Telefunksoul, disponibilizamos a Mixtape O Que a Bahia Perdeu?, que traz a cena rocker baiana dos anos 1990, com músicas ripadas das fitas k7s demos originais.

É uma homenagem aquelas bandas e artistas do período, com nomes obscuros e outros bem conhecidos. A coletêna reúne músicas de algumas das principais bandas do gênero na Bahia em todos os tempos, como Dead Billies, Brincando de deus, Lisergia, Maria Bacana, 2 Sapos e Meio e Inkoma. Tudo isso, vem acompanhado de um texto de Rodrigo Pivni, um fazineiro do período, que traz um texto bastante saudosista e que lembra outros momentos da cena roqueira dos anos 1990.

“Em meados dos anos 1990, Salvador viveu uma cena alternativa efervescente, em meio ao auge da axé music que dominava todos os espaços possíveis, inclusive a mídia e sendo vendido como “música baiana”, como a verdadeira ou a única música sendo criada e produzida na Bahia. Um movimento tão importante quanto, composto por um público significativo e uma infinidade de excelentes bandas que se movimentavam, criavam espaços alternativos e mostravam que a musicalidade baiana não era tão limitada como se vendia. Era a cena rocker.

Em um período em que os celulares não eram popularizados, não existiam smartphones e nem redes sociais, a internet era algo novo e nem todos tinham acesso, por conta disso os mensageiros e nem mesmo o MSN era uma realidade, as rádios em sua maioria não davam acesso e visibilidade a nada que não fosse o axé music. Mas mesmo assim, na força do boca-a-boca, dos flyers distribuídos na entrada dos shows da semana anterior e dos cartazes colados clandestinamente nos muros e postes de toda a cidade os shows eram quase sempre lotados, o público sabia cantar as músicas das suas bandas favoritas. Não era incomum parar o carro na frente do Casa Blanca, do Idearium, do Café Calypso ou de qualquer outra casa de shows que abriam suas portas para o Rock e perguntar ao segurança ou a qualquer outra pessoa parada na porta do estabelecimento “quem tá tocando aí hoje?”.

Era só sair de casa todas as sextas e sábados a noite e escolher onde ir que você assistiria um show de qualidade, se você queria Metal bastava ir no Idearium, se preferia um Rock mais alternativo, no Café Calypso, ambas no Rio Vermelho, mas tinham também as várias casas de show do Pelourinho e alguns outros espaços distribuídos por toda a cidade, tinham espaços na Barra, em Amaralina, na Pituba, em Piatã. Houve nessa época também os festivais, como o Garage Rock Festival realizado pela Uivo Produções com suas muitas edições, o Boom Bahia e muitos outros.

A cena foi surgindo no final da década de 1980 e início da década de 1990 com bandas como Utopia, Texto Base, Diário Oficial, Cravo Negro, Dogma, Circus, Meio Homem, Mutter Marie, Úteros em Fúria e outras. Aos poucos , elas foram dando espaço no auge da cena a uma nova geração com bandas como Brincando de deus, Dr.CascaDura, Dead Billies, Lisergia, 2 Sapos e Meio, Inkoma, e muitas outras que sobreviveram até o início dos anos 2000, quando se deu o início do fim da hegemonia do Axé Music. Com isso o movimento deixou de ser alternativo, underground, o público foi tomando novos formatos, os shows perderam parte da essência, algumas bandas como The Honkers e Retrofoguetes mantinham seu público cativo, porém na maioria das vezes o público estava mais focado em beber e até mesmo paquerar, as bandas já não importavam tanto.”

Por Rodrigo Pivini


Tracklist:

1 Lisergia – Boneco de Lata
2 Dois Sapos e Meio – PassaObeck!?
3 Janquis – Cabeça de Fósforo
4 Injúria – Revolução Negra
5 Inkoma – Pilha Pura
6 Porcos Falantes – Pm´s Corruptos
7 Bosta Rala – Buzão
8 Locomosquito – Palavras a Esmo
9 Filhos de Creuza – Larga o Fumo
10 Dink Dau – Abuse a Consciência
11 Sinapse – Telencéfalo
12 Ataraxia – Apologia ao Filho
13 Crotalus – Mr. Paul
14 The Dead Billies – Lick my Lollypop
15 Brincando de deus – Why Don´t You Will Your Self on Your Birthday?
16 Psycho Sonic – Pricks in your hand
17 Arsele Lupin – I You She
18 Smooth Pod – Smooth Pod
19 Maria Bacana – Primavera
20 Imbecility – Suvaco da Cobra
21 boy Subterraneo – Hey Bem
22 No Deal – kaliYuga
23 Sociedade 3Oitão – Eles Sabem Que Eles São
24 Banda Crac!- Patinete 96
25 Zambotronic – Não Tenho Carro
26 Pã – Leonardo Dá 20
27 Noxius – Looking Above Your Minds
28 Canibal Sonic – Cheirosa
29 Não – Metropole Impetuosa
30 Linch – Stolen
31 The Pimps – Whatever
32 Pereba-s Rock – Biscoito Recheado
33 Shes – Desafio


Acervo de Telefunksoul & Pivni
Dedicado aos saudosos amigos:
Emerson Borel(Úteros em Fúria),Morcego e Dinho(Bosta Rala),Peu Souza(2Sapos e Meio),Pedro Bó(Dink Dau),Cesar Vieira(Brincando de deus),Chuck(2Sapos e Meio/Injúria),Sérgio(Psycho Sonic).

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Geração Pop
Uma nova geração sem medo de ser pop