Ratos de Porão no Viva Noite

Durante anos a imagem mais divertida na TV brasileira que eu tinha na mente era a participação do Ratos de Porão no programa “Viva Noite”, do já chato Gugu Liberato, em 1991 tocando a música “Sofrer”. Sempre falava disso, mas não tinha mais visto e parecia lenda. Pois a banda acaba de lançar um filme contando sua história, “Guidable – A Verdadeira História do Ratos de Porão” e incluiu esse momento histórico no trabalho. É uma das coisas mais engraçadas que o rock brasileiro já passou. Melhor, está disponível para assistir. No começo, o publico reage como se fosse o artista que eles mais gostassem, palmas, gritinhos, danças e a tosqueira da banda rolando.A banda se acaba de rir, fazendo um playback digno. O público se empolga e os gritinhos clássicos de acompanhamento do programa aumentam de volume. Os bonecos no palco que animavam o programa dançando, como se fosse qualquer coisa. Mas fica mais engraçado ainda quando a começam a esculhambar geral e o público pede “mais um mais um”. Aqui ó:

A banda também foi na época ao programa de Angélica, com ela vestindo de Branca de Neve e fazendo a cara de malvada e tocando air guitar. Mais sacanagem ainda, os integrantes da banda trocaram totalmente de formação, com João Gordo assumindo a guitarra e devorando o queijo da Angélica, o baterista (??) assumindo os vocais e esculhambando o play back cantando fora da hora. Hilário…

Deu pra lembrar também do Cascavelletes tocando “Eu Quis Comer Você” no programa da Angélica. Por isso defendo que a sbandas topem ir no Faustão e deixem de xurumela.

  1. hahahahha ki hilário. tbm boto a mó pilha das bandas de rock colarem em programas como do Faustão e afins. E ainda profetizo: O rock ainda será uma música popular, [popular do tipo, do povão mesmo] no Brasil.
    Porquê não?

    1. Ricardo, ja foi em alguns momentos , né?
      Raul se tornou super popular
      na Jovem Guarda tb
      Anos 80 novamente
      eu realmente fico impressionado como Raul e Legião conseguiram agradar boa parte da população brasileira
      engraçado que o universo roqueiro por isso acabou criando certa hojerizah a esses artistas

  2. é verdade Luciano. Sinceramente não entendo o porquê deste provincianismo por parte de alguns, será a absorção do instinto animal de defesa e proteção, de ficar em tocas, grutas e cavernas. A idéia é justamente a contrária. Mas eu até compreendo, é o que o cara mais rocker desse país já dizia. Somos seres humanos usando apenas 10% da cabeça animal, outros menos ainda e até os que simplesmente não usam, agem apenas pelo instinto animalesco.

  3. só que nenhuma banda de rock brasileira da atualidade iria num faustão da vida fazer algo tipo o que o ratos fez na angélica. nenhuma tem culhão pra isso.

    1. é possivel que não
      mas eles nem fizeram tanto, ahcoque ir la e se divertir, zoar da cara, sem eles nem emsmo saber iria ser divertido
      mas garanto que bandas como Mukeka di Rato fariam. O lance é que não chamariam.
      Se formos ver a música na grande mídia pe outra, dificilmente entraria algo similar hoje em dia.
      No máximo, Pitty, Los Hermanos, Charlie Brown Jr e agora Vnaguart
      Acho bizarro é achar errado que essas bandas toquem lá.

  4. Pow hoje em dia, como Luciano falou a única banda que teria chances de fazer isso é o Mukeka. Os caras tão na gravadora e tem clipe, um passo pra tocar e os caras são mais doentes e insânos do que João Gordo e sua trupe, é certeza de zuação!!!!

    Pena que provavelmente nunca verei uma cena escrota dessas ao vivo ahahuauhauha

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Magary
Magary: Um novo balanço afro pop na Bahia