Primavera Sound: entenda como os artistas brasileiros foram parar lá?

Caetano Veloso, Rodrigo Amarante, Móveis Coloniais de Acaju, Boogarins, Black Drawing Chalks e Single Parents. Muita gente se surpreendeu ao ver estes nomes na escalação de um dos mais importantes festivais de música do planeta, o Primavera Sound, para muitos o melhor do mundo atualmente. Apesar de ser um grande salto da produção nacional, a presença brasileira não é tão novidade assim nos principais festivais europeus e americanos. Em outros anos, já tivemos nomes como Céu  Céu e Emicida no Coachella, várias bandas no SXSW  e CMJ. Este ano teremos as bandas Zefirina Bomba, Hellbenders, Black Drawing Chalks e Fresno no badalado South by Southwest, um dos principais evento de música nova no mundo, que acontece na cidade de Austin, no Texas. O Autoramas já está confirmado no festival Cosmic Trip, na França, e no Festival Vive Latino, no México, o maior evento de música espanhola do mundo. A diferença com o Primavera Sound, que acontece de 29 a 31 de maio, em Barcelona, é que a produção brasileira parece que se consolida de uma vez, com nomes entre os headliners e com presença significativa. Não é mais apenas num festival focado em novidades do mercado, mas, num dos maiores festivais do planeta. (Confira a a lista de festival pelo mundo em 2014) Para falar da presença brasileira no Primavera Sound e como ela ocorreu, conversamos com Fabrício Nobre, produtor cultural e musical à frente da produtora e agência A Construtora Música e Cultura, responsável por viabilizar a presença de algumas dessas bandas no festival espanhol.

– Como aconteceu o processo de interesse por artistas brasileiros? Partiu do festival?

Fabrício Nobre – Em 2009 fomos uma turma de sul-americanos, eu (representando a ABRAFIN), Sylvie (Picolotto) e Pablo (Scatter), El Mató (banda argentina), Autoramas (estão sempre em todas desbravando) e Macaco Bong. Foi bem legal. E depois seguiram contatos. Relacionamento com Scatter, com UnConvention (Ruth Daniel), e aí foi. No final do ano passado fui convidado para fazer parte a ação internacional do UnConvention que iria participar do PRIMAVERA SOUND PRO, representando BANANADA e CONSTRUTORA, e na mesma semana o manager americano e booker europeu (agenciador de shows) dos Boogarins disse que um convite do Primavera tinha rolado para eles. Daí me empolguei, voltei a fazer contato com os caras e achei que com Boogarins dentro uma ação com Brasileiros mais consistente seria excelente, procurei algumas bandas que se interessariam em investir na participação no festival e mandei alguns materiais para produção do PRIMAVERA. Eles adoraram Black Drawing Chalks, Móveis Coloniais de Acaju e Single Parents, e as três bandas estavam com tudo pronto para ir e rolou. Semana passada os Boogarins foram confirmados oficialmente e as outras 3 também. Não estava sabendo até ver o filme da participação de Caetano Veloso e Rodrigo Amarante… achei genial! Grande momento para a gente, a articulação tomou mais força ainda… vai ser ótimo para todas as bandas daqui.

primavera-sound-2014-lineup– A seleção foi feita de que forma, eles mandaram alguém aqui pra escolher, vieram ver shows? como aconteceu?

Fabrício Nobre – Acho que ,como todos os festivais do mundo, as pessoas viajam, conhecem coisas e confiam em agentes e bookers parceiros, confiam em mim e no UnConvention. Confiam no trabalho da Scatter também, que sempre levou bandas boas para lá. Já vieram aqui na Feira Musica Brasil, e etc. É construção de uma parceria, e eles sabem que as bandas ligadas a estas pessoas já demonstraram compromisso e vão conseguir investir para estar lá, promover seus shows, fazer barulho na imprensa do Brasil e de lá. Quero inclusive ver um dado, como é a procura de ingressos e credenciamento de brasileiros para o festival.

– Qual foi o critério principal? Vocês da Construtora sugeriram os artistas ou eles apontaram alguns? Como rolou a escolha dos nomes? Outros nomes foram sugeridos ou cotados? Quais?

Fabrício Nobre –  Sugerimos sim, e negociamos com brasileiros que queriam ir. Foi caso de BDC, Móveis e Single Parents. Boogarins demos um suportezinho, mas quem fechou tudo foi o booker europeu deles.

– No Brasil há polêmica sobre os festivais, que não custeiam sempre todos os custos dos artistas, como é no caso do Primavera?

Fabrício Nobre – Cada caso é um caso. E cada um vale o que pesa, para os programadores. Como tem que ser. Quem está agendado para Europa, como Boogarins, e acredito o Amarante, devem ter um fee baixo (remuneração por serviços) e hotel e etc… certamente não cobrirá os gastos de voar do Brasil e tal, só para aquele show, não deve ter hotel para todos dias e etc. Móveis, Single Parents e BDC tem que fazer todo o investimento, contratar hotel, equipe, jantar, equipamento direto do festival, vão fazer dois shows: um na PRO Area e um no festival em si, e parece que um terceiro ainda num showcase do UnConvention, num club no centro de Barcelona na quarta que antecede o festival… e não tem aéreos e etc. Duvido que a maioria dos nomes que não estão nas primeiras linhas tenham todas as despesas pagas pelo festival, são bandas que estão em tour europeia, devem ter um fee fechado e uma noite de hotel (Boogarins é assim, devem fazer outras 40 datas na Europa com agente deles) e é o que BDC deve fazer, o que Autoramas fez também… É a real de bandas novas passando por festivais. É o que a gente faz aqui no BANANADA por exemplo: paga o que pesa e dá um padrão mínimo para geral.

– Essa entrada no Primavera pode ser considerada uma abertura definitiva da música brasileira independente no mercado de festivais europeus (mesmo outros nomes já indo) ou você acha que ainda não?

primavera palcoEssa abertura já rolou tem tempo eu acho… acho que tem mais momentos que outro… teve Céu e Emicida no Coachella, as bandas brasileiras tocam no SXSW , CMJ, Pop Montreal , Transmusicales, desde sempre… Cabruera e B Negão no Roskilde, Móveis no Pukkelpop, Lucy fez alguns… sei lá quem mais… Bonde do Rolê e Cansei tocaram no mundo todo… pessoal mais da world musica toca toda hora. O massa desse Primavera é que é um festival que todo mundo quer ir e que vai ter uma seleção de brasileiros de fazer inveja para a maioria dos festivais daqui. Deu maior vontade de convidar Amarante, Caetano e chamar de novo o Single Parents para BANANADA 2014… (risos) só para ter todos no nosso line up também. Opa! Tá aí uma ideia… que não é ruim. (RISOS).

Festival inova na divulgação do line up

Para divulgar o line up, o Primavera Sound sai do comum e produziu um filme bem bacana, onde as atrações vão aparecendo de várias formas durante a história. Bem legal. Ah! Quer ver a lista completa de artistas? Acesse aqui. O el Cabong destaca entre as atrações imperdíveis estes aqui:   Neutral Milk Hotel, Pixies, QOTSA, Arcade Fire, Nine Inch Nails, Slowdive, Antibalas, Lee Ranaldo, Caetano Veloso, Charles Bradley, Dr. John, !!!, Black Lips, Jagwar Ma, Slint, Spoon, St Vicent, Television, Julie Rin, John Grant, National, Volcano Choir, Boogarins, Warpaints,  Amarante, Móveis Coloniais de Acaju e Midlake.

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Entrevista George Christian
Entrevista George Christian: “Me desiludi com a ideia de ser um artista popular”