Tom Zé

Nova polêmica de Tom Zé e o rap baiano ganha fã internacional de peso

Depois de até criar um disco em resposta as críticas dos fãs, Tom Zé decidiu doar o cachê que recebe pela propaganda da Coca-Cola. Enquanto isso, a banda baiana de rap Opanijé recebe um elogio de um dos maiores nomes do gênero na história.

Por incrível que pareça, a polêmica envolvendo a participação de Tom Zé fazendo a narração de um comercial da Coca-Cola ainda rende. O músico baiano agora anunciou que decidiu doar o valor do cachê que recebeu da multinacional para uma instituição de caridade. O dinheiro irá para a Sociedade Lítero-Musical 25 de Dezembro de Irará, sua cidade natal.

O músico, que mesmo com sua indiscutível importância, não é nenhum milionário e em determinado momento da carreira quase desistiu de ser artista para sobreviver como frentista de um posto de gasolina. Como não é campeão de vendas, ele vive dos shows e de outras possibilidades, como fazer a narração de um comercial. Em entrevista ao UOl o músico baiano abriu o jogo sobre o dinheiro da propaganda: “Eu sou pobre, continuo pobre. Esse dinheiro estava me atrapalhando, me incomodando, resolvi doar. Estava agora com a minha mulher fazendo as contas e está um aperto ‘fela da puta’”.

Isso tudo por causa da reação dessa parte do público, que adora opinar sobre a vida dos outros, seja subcelebridades, seja o artista do calibre de um Tom Zé. Após o comercial ir ao ar, o músico foi duramente criticado por supostos fãs na internet, sendo xingado de coisas como “velho babão”, “bundão”, “príncipe que virou sapo”, “corrompido”, “garotinha ex-tropicalista”, “mentiroso”, entre outras. Isso tudo levou Tom Zé a criar um disco, que se ele não assume ser uma resposta aos fãs, trata do tema sem esconder, do título, ‘Tribunal do Feicebuqui’, ao temas das músicas.  Será que numa altura dessas realmente precisava baixar a guarda e doar esse dinheiro por causa de gente da internet que se acha fã ofendido?

Rap baiano

A música baiana atual, esta fora da mídia e que é pouco valorizada muitas vezes até aqui mesmo, continua chamando atenção. Chuck D, vocalista do seminal e fundamental Public Enemy, simplesment eo grupo de rap mais importante do mundo, deixou a seguinte mensagem em seu twitter: “Excelente. É por isso que RAP ao redor do mundo faz com que o mainstream dos EUA pareça um pouco ultrapassado.” e incluiu um link para o clipe de “Se Diz”, do grupo baiano Opanijé (abaixo o clipe, que a gente havia apresentado aqui), um elogio sem tamanho se pensarmos que é uma lenda do rap mundial falando de um grupo novo de rap de uma cidade “sem cultura” no Nordeste brasileiro.


Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Prêmios e festivais agitam rock baiano