Festivais aguardam vacina e inovam para 2021

Depois de um ano de paralisação sem precedentes, a perspectiva de uma vacina e de uma melhoria na contaminação fez com que vários festivais de música começassem a definir e divulgar novas datas de suas edições físicas para 2021. Quase todos eles ficando para o segundo semestre. Na primeira metade do ano, ainda sem a certeza de ter uma população imunizada, e com os recursos da Lei Aldir Blanc ou incertos ou ainda começando a gerar efeitos, vários festivais devem manter a tendência verificada no segundo semestre do ano passado: acontecer de forma virtual, em lives ou outros formatos.

Veja também:

Formato 3D e games são as novas apostas dos festivais.

A produtora Ana Garcia, do festival pernambucano No Ar Coquetel Molotov, é uma das que avaliam que devemos ter um começo de ano eminentemente virtual: “Os editais da Lei Aldir Blanc terão que ser realizados no primeiro semestre, e todos em formato online.” Para ela, a volta a uma certa normalidade seria apenas a partir de junho. “Já estamos vendo festivais anunciarem novas datas e line-ups para formato físico, e acho que isso é superimportante neste momento para dar uma esperança, para ter algo para torcer e acreditar.”

Uma coisa é certa: uma série de medidas — distância, higiene e limpeza reforçadas entre elas — ainda não parece ter prazo para acabar. “Testar toda a equipe para o vírus, otimizar filas de entrada, bar, banheiros, provavelmente automatizar alguma parte dos serviços e tudo isso significa ter custos mais altos. Talvez, com a vacina, as mudanças sejam mais sutis, mas certamente existirão”.

Para a produtora Bina Zanetti, do festival Brasis no Paiol, vai haver várias mudanças nos eventos. “Inicialmente, no caso de edições presenciais, teremos redução de 40 a 50% da capacidade de público e protocolos de saúde rigorosos para eventos de grande porte. Penso que, no segundo semestre de 2021, os eventos voltarão a certa ‘normalidade’ referente a quantidade de público e os protocolos de saúde sejam mais leves, na esperança de que parte da população já esteja imunizada com a chegada da vacina.”

Festivais 2021
Festival Coma segue sem uma data definida.

Tomás Bertoni, produtor e sócio-fundador do Festival CoMA, em Brasília, mantém os pés no chão quanto a prognósticos. Sem uma data definida para a próxima edição do evento, ele diz que a percepção sobre o que vai acontecer muda a cada semana. “A minha especulação nesse momento, que pode mudar em breve, é que se vacinarem grupos de risco e serviços essenciais até mais ou menos junho, no segundo semestre vai rolar tudo, mesmo que forçando a barra.”

Para ele, não vai haver grandes adaptações nos festivais, caso o cenário de vacinação ocorra. “Vão ser festivais com torres de álcool gel espalhadas e com a obrigação de usar máscara, que pouquíssima gente vai usar direito? Vão ser montadas estruturas para testar todo mundo que entra no festival, além de todo mundo que vai trabalhar? Testar todos os artistas e suas equipes também?”, indaga.

Ele lembra que festivais como Lollapalooza, Rock in Rio ou até festivais grandes, mas não gigantes, como o Coala, não estão planejando grandes mudanças no seu formato e já estão anunciando atrações e vendendo ingresso. “Estão contando que vai ser possível fazer e esperando o que que vai ser do Brasil até os meses antes de suas respectivas datas pra decidir as medidas. Não tem como se planejar direito mesmo e ficamos à mercê do vírus. Se rolar uma mutação nova em maio, como ocorreu agora no Reino Unido por exemplo. Quais vão ser as consequências? As vacinas ainda vão servir? São muitas variáveis”.

Guilherme Rabelo, curador do Breve, um dos festivais que já têm data para sua edição física, acredita que não há festival sem a presença de público. Para ele, também é difícil pensar previamente em adequações. “Em se tratando de um festival de música no modelo do Breve, ou de todos os outros que acontecem no Brasil, como Rock in Rio, Lolla, Bananada, Coala etc., é muito difícil prever uma adaptação. Porque, na verdade, o festival são a música e a energia do público. Lógico que a gente está estudando quais são os formatos, quais vão ser os protocolos exigidos na época, porque também está tudo mudando muito rápido, mas acho que todos os festivais do Brasil acreditam na vacina, e é a única forma deles acontecerem.”

Jomardo Jomas, produtor do festival Mada em Natal, que também já tem data definida, concorda que a vacinação é a maior esperança. “Estamos contando com ela, mas mesmo assim a gente não vai ter ideia de como vai estar a questão da contaminação e a volta dos protocolos mais à frente”. Para ele, devem surgir novos protocolos até a realização de seu festival, programado para outubro. “Não acredito que seja como agora, mas a gente vai respeitar todos os protocolos que por ventura estejam sendo utilizados e recomendados pelos órgãos de saúde”. Jomardo acredita que o uso de máscara ainda se estenderá por mais um ano no mínimo, independente da vacinação. “Tudo agora será vacinação (ter as vacinas), distanciamento e proteção. Para chegarmos bem no final desse ano esses pontos serão fundamentais”.

Novos formatos

Um dos principais festivais do país atualmente, o Coala não realizou a edição física em 2020, mas é um dos que já programaram sua edição deste ano, com shows confirmados das cantoras Gal Costa e Maria Bethânia. O festival paulista promoveu uma versão on-line no ano passado, transmitida de um sítio afastado de São Paulo. Batizado como Coala VRTL, recebeu mais de 600 mil espectadores numa transmissão que acontecia simultaneamente nos canais das atrações e no YouTube do festival e da TNT. A programação recebeu nomes como Gilberto Gil, Mariana Aydar e Novos Baianos e, para muitos, elevou o padrão de transmissões de eventos ao vivo no Brasil.

Festivais 2021
Show de Gilberto Gil no Coala VRTL

Essa aposta em edições virtuais vai continuar em 2021 entre os festivais, inicialmente de modo exclusivo, mas, com a volta a uma certa normalidade, as transmissões devem ser incorporadas às edições físicas dos festivais. É como pensa Ana Garcia. Segundo ela, depois de os festivais terem passado pela experiência de fazer suas edições online, muitos buscarão dar continuidade a essas entregas online e seguirão em um formato híbrido: “Experiências menores e exclusivas passam a fazer mais sentido para festivais e eventos de menor porte.”

Para Pedro Seiler, produtor e sócio fundador do Queremos!, do Rio, o formato virtual veio mesmo para ficar. Ele acredita, porém, que ainda haverá adequações e ajustes ao formato. “Cada festival vai ter que entender qual a maneira de utilizar. Vai ser como conteúdo extra? Aumentando a abrangência do festival?”, cogita. “Se todo mundo transmitir tudo o tempo inteiro, vai haver uma banalização. Os próprios artistas vão começar a se proteger um pouco dentro dos festivais se todo mundo quiser transmitir. Acho que é uma coisa ainda a ser estudada.”

Para Bertoni, do CoMA, os novos formatos que ganharam visibilidade em outros países, com presença de público em espaços físicos, mas de forma adaptada à nova realidade, não devem permanecer. “As opções de shows com mesas e o público em cercadinhos, drive in etc., todo mundo já sabe que existem, mas descaracterizam totalmente o que nossos festivais fazem e propõem. São outro evento, e acho que muita gente, inclusive o CoMA, vai acabar optando por não fazer.”

Segundo Rabelo, do Breve, esses novos formatos não resolvem pois não se sustentam. “Já foi provado que não se pagam, que a conta não fecha, tanto que a gente teve muita pouca coisa acontecendo no Brasil e no mundo durante a pandemia. Não adianta a gente tentar querer inventar a roda, que o festival é show presencial, o público está lá pra isso, ele quer isso.”

Em formato físico ou virtual, em processos híbridos ou em games, os festivais vão seguir em 2021 sendo uma das principais plataformas para o público consumir música e os artistas mostrarem seu trabalho. Abaixo uma programação com alguns dos festivais já confirmados nesse não de 2021

Festivais 2021

Festivais já anunciados em 2021

No Ar Coquetel Molotov 2021 (apenas virtual)
11 a 23 de janeiro
coquetelmolotov.com.br
Atrações confirmadas: Ava Rocha e Boogarins, Lia de Itamaracá, Tuyo, Jup do Bairro, Derek, Alessandra Leão, Amaro Freitas, Test, Perera Elsewhere, Thelmo Cristovam, Miãm, Luiz Lins, Bella Kahun, Bell Puã, Avoada, Thelmo Cristovam, Hrönir, Cássio Sales, Ciel Santos, Siba Carvalho, Guma, Mooniz e HoodBob

Rec Beat
14 de fevereiro
youtube.com/recbeatfestival

Nômade Festival
24 de abril
Memorial da América Latina – São Paulo/ SP
Atrações confirmadas: Caetano Veloso, Elza Soares

Breve Festival
7 de agosto
Mineirão – Belo Horizonte/ MG
Atrações confirmadas: O Grande Encontro – Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo, Ney Matogrosso, Orishas, Racionais MC’s, Pitty, Djonga, Céu + Tropkillaz, Heavy Baile, ÀttoxxÁ, Luiza Lian, Tuyo, Josyara, entre outros.

Lollapalooza
10, 11 e 12 de setembro
Auditório de Interlagos – São Paulo/ SP

Coala Festival
11 e 12 de Setembro
Memorial da América Latina – São Paulo/ SP
Atrações confirmadas: Gal Costa e Maria Bethânia

Rock in Rio
24 de setembro e 3 de outubro
Parque Olímpico – Rio de Janeiro/ RJ
Atrações confirmadas: Iron Maiden, Dream Theater, Megadeth e Sepultura

Festival #MADA22
Dias 15 e 16 de outubro de 2021
Arena das Dunas – Natal/ RN
Atrações confirmadas: Emicida, Letrux, Terno Rei, Afrocidade, DJonga e Gloria Groove

Festival Rock the Mountain
13 e 14 de Novembro
Itaipava – Petrópolis/ RJ
Atrações confirmadas: Gal Costa, Caetano Veloso, Alceu Valença, Black Alien, BaianaSystem, Djonga, Criolo, Marina Lima, Karol Conká, MC Tha, Raimundos, Luedji Luna, Malía, Mateus Carrilho, Jaloo, Budah, Ana Frango Elétrico, Mulú, Valuá, Carlos do Complexo, Potyguara Bardo, GOP TUN, Fatnotronic e Selvagem,

Festival Coquetel Molotov
20 de Novembro
Recife/ PE

* Texto publicado originalmente no site da UBC.

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
DopesMoke Festival reúne novos e veteranos nomes do metal baiano