Bosta Rala

Entrevista: lendária banda punk baiana, Bosta Rala volta às atividades

No dia 30 de setembro apareceu no youtube esse vídeo abaixo. Era uma pista da volta inesperada para muitos da banda punk Bosta Rala. Após o fim em 1996 devido ao assassinato de dois de seus integrantes, a banda entrou em hiato por um bom tempo, com uma idas e vindas para shows esporádicos, e agora anuncia o retorno às atividades. A banda fez história nos anos 90, com seu som misto de grindcore e punk anos 80, em letras que abordavam, entre outras coisas, a brutalidade da ação policial. O maior “hit” do grupo, inclusive, foi a música “Idiota”, que tratava os policias dessa forma carinhosa e está no único lançamento do grupo, a demo ‘Idiota’, com 13 músicas.

Ainda sem shows marcados ou previsão de gravações, seus integrantes atuais estão ensaiando e fazendo planos. O blog Tosco Todo bateu um papo com Tovar Fonseca, único remanescente da formação original da banda. Conheça um pouco mais sobre a história da banda e como diz o Tosco, “esqueça os boatos e lendas”, especialmente as diversas versões que circulam na internet sobre o assassinato de dois de seus integrantes pela polícia, e saiba mais nessa entrevista esclarecedora:

A primeira coisa que me vem a cabeça quando se fala de Bosta Rala, é a morte de dois integrantes da banda, assassinados pela PM. Outras pessoas dizem que foi só um integrante, que o outro era da banda “Não”. Já conversei com várias pessoas, e ainda não tenho uma informação concreta sobre o que de fato aconteceu. Acho que vocês podem nos dizer mais claramente, o que de fato aconteceu no dia da morte deles?
Tovar Fonseca – Os dois eram integrantes da banda, o baixista Dinho também tocava na banda NÃO e Morcego (vocal) em outra banda.

Queria que você falasse mais sobre a morte deles, como foi? existem muitas versões por aí, o que de fato aconteceu?
Tovar Fonseca – Quanto a verdade sobre a morte dos caras, Dinho, Morcego e mais dois brothers estavam fumando um pra relaxar, e Dinho tava comemorando o nascimento do filho, quando viram a policia chegar atirando, eles correram e dois dos caras pararam. Dinho e Morcego deram continuidade e foram abordados com tiros, que se não me engano, foi de escopeta. Depois levaram eles para praia e mataram friamente com tiros, colocaram arma na cintura de Morcego, levaram documentos dele e deram como indigente.

Leia também:
Reativados, Retrofoguetes preparam novo disco e pretendem pousar na Europa.
Cascadura encerra atividades e fará últimos shows até o fim do ano.
Como anda esse tal de rock baiano?

Então, vamos falar do começo. Quando surgiu a Bosta Rala, e de onde tiraram esse nome?
Tovar Fonseca – Surgiu em 90. O nome quem deu foi Morcego. A banda era eu e Jabá na batera. Uma vez, fazendo um som na casa dele, Morcego apareceu e pegou o microfone, gostamos das letras e ele gostou do som e logo depois chamou Dinho no baixo e Silvana nos guturais vocais. A questão do nome da banda não nos interessava, então morcego gritou “bosta rala” porque a vida aqui é uma bosta.

Quando gravaram o primeiro material?
Tovar Fonseca – Gravamos em 92/93, não sou muito bom de datas, gravamos duas versões das músicas.

Gravaram duas versões das músicas, por que fizeram isso?
Tovar Fonseca – Era para a participação em uma coletânea em vinil e só tínhamos 5 minutos e queríamos colocar mais ideias, não só sonoridade, tipo divulgar as letras, então encurtamos as músicas pra caber no vinil.

bosta rala - coletanea
Baixe aqui a coletânea “Cenas AnarcoPunks” originalmente lançada em vinil em 1994.

Era pra participar da coletânea “Cenas AnarcoPunks” em 1995?
Tovar Fonseca – Como disse, não sou bom de datas, mas o “cenas anarcopunks” foi em 94, no bolachão mesmo, nem tínhamos grana pra participar e nem gravar. Na gravação contamos com o nosso falecido amigo Ephendy Steve que fez um ótimo preço e no bolachão quem bancou nossa parte foi Josimas (Execradores/Tuna). Depois eu consegui comprar algumas cópias dele.

E quando foi que gravaram a primeira demo?
Tovar Fonseca – A primeira gravação foi do vinil. O tempo era curto no vinil, mas no estúdio tínhamos mais tempo e gravamos outras versões das músicas e lançamos a tape intitulada “IDIOTA”, mas não divulgamos muito.

BostaRala - Idiota
Baixe aqui a demo Bosta Rala – Idiota (1995)

Quais eram as maiores dificuldades para uma banda anarcopunk em salvador naquela época?
Tovar Fonseca – Dificuldade tem em todo lugar pra uma banda assim no underground. Acho até que fomos felizardos porque tínhamos estúdio próprio, dentro do meu quarto, fazíamos shows loucos.

Nos primórdios
Como era a divulgação da banda, para outros estados? E como surgia o convite para participar desses materiais?
Tovar Fonseca – O responsável pela divulgação sempre foi eu, desde 87/88, com meus contatos fora da Bahia, minhas idas a SP ajudaram também. Meu contato com Josimas que fez acontecer a participação no vinil, mas fomos odiados por várias bandas da coletânea. Recebia muitas cartas estranhas, mas dava risadas de todas.

Odiado por outras bandas participantes da coletânea? E que tipo de cartas estranhas eram essas? Com ameaças?
Tovar Fonseca – Mandaram arranhar as faixas da banda deles. Disseram que não éramos banda anarcopunk (essa parte concordo, de punk só tinha Morcego), mas pra fazer som consciente não precisa ser punk. Teve cartas que só lia o começo e devolvia, quando o selo dava pra aproveitar. Foi um julgamento, porque nenhuma delas jamais tinha nos escrito cartas (não existia internet), mas não liguei e fui em frente, tirar ou esclarecer essa dúvida pessoalmente, em um evento lá, organizado por Josimas. Inclusive uma das bandas que mandou riscar a faixas deles estava no cartaz e iria dividir o palco com a gente…(risos)..mas não nos foi feito quaisquer pergunta durante nossa estadia em SP.

A Bosta Rala chegou a tocar em outros estados. Como foi esses rolés?
Tovar Fonseca – Tocamos em São Paulo por duas vezes, e (fizemos) três shows em Recife, João Pessoa, tudo bancado por nós menos. Teve um show em Aracaju que foi o único que ganhamos um cachê e torramos tudo de bebidas, rango na praia…(risos).

bostarala2015
Bosta Rala 2015: Tim (baixo), Morto (vocal), Rato (bateria) e Tovar (guitarra e vocais).

E o que motivou essa volta do Bosta Rala em 2015? Qual a formação atual, e quem de vocês eram da formação original?
Tovar Fonseca – A volta já estava prevista há tempos, mas não era o momento porque passamos a ser pais e ter responsabilidades. Da primeira formação só tem eu, depois o Morto, que entrou quando Silvana saiu. Depois veio o Rato na batera com a saída de Jabá, e finalmente o Tim entrou no baixo, com a saída de meu irmão Renato “Olho Seko”. Então original e persistente só eu mesmo! (risos).. coisa de velho underground, nunca desistir! lutar sempre!!!

Existe a intenção de viajar pelo Brasil nessa volta da banda? E gravar material novo está nos planos também?
Tovar Fonseca – Viajar pelo mundo todo, não só pelo Brasil. Quero colocar nossas letras, atitudes e sonoridades na cabeça de todos, mas já somos conhecidos fora do Brasil. Também quero gravar, só rolar uma boa proposta, assim como shows.

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Tiganá
Entrevista lançamentos: Tiganá