Los Hermanos

A volta e as novidades do Los Hermanos

Comemorando 15 anos, Los Hermanos anuncia retorno com turnê e músicas inéditas, além de ganhar tributo com diversos nomes da nova música brasileira.

Fotos: Rafael Passos (Divulgação/ Abril Pro Rock)

Depois de fazer enorme sucesso popular com basicamente uma música, mergulhar em trabalhos autorais e criar um imenso público de devotos, trafegando por diferentes ambientes enquanto recrudescia a crise na indústria fonográfica, a banda carioca Los Hermanos abriu um vácuo na música brasileira ao anunciar em 2007 que iria entrar em recesso por tempo indeterminado. Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba haviam lançado quatro discos e estariam prestes a gravar o quinto, mas preferiram parar as atividades sem data para um retorno.

Ali já estavam inscritos na história da música popular brasileira, saindo da condição de banda do underground carioca para o de banda brasileira mais importante do século XXI. Como costuma ser sempre com quem traz elementos e referências novas ou esquecidas para determinado momento da história, eles deixaram uma marca forte e influenciaram boa parte da produção musical jovem dali em diante. Abriram possibilidades que pareciam adormecidas para o público mais novo de então. Seja a capacidade de garotos assumirem uma certa sensibilidade hétero, contrária a dominação da testosterona machista, exagerada e descerebrada. Seja em permitir que a música jovem não se resumisse a superficialidade do mainstream radiofônico e popularesco ou ao rock sujo, feio e malvado. Ao mesmo tempo reunia um pouco disso tudo.

Depois de dois discos fundamentais e presentes em quase qualquer lista de melhores discos dos anos 00, ‘Bloco do eu Sozinho’ e ‘Ventura’, lançaram o último trabalho, ‘4’, mais brando e apontando cada vez mais para a música brasileira mais consagrada, apesar de ainda manter um nível de rock em algumas faixas. Não se sabe ao certo se não acreditavam mais num próximo álbum com a mesma qualidade, se estavam estafados da vida de se isolar para gravar e  fazer turnês lotadas ou se simplesmente queriam apostar em seus próprios projetos ou se era tudo isso e mais alguma coisa. O fato é que, como bem disse Lorena Calabria em seu blog, “eles poderiam ficar enrolando, com disco ao vivo, disco de versões etc., deixando a banda no piloto automático e cada um com seus projetos paralelos. Nada disso. Saem de cena, mantendo a amizade e a sanidade. ”

Tal qual os Beatles – e a comparação aqui não é de valor musical ou importância, mas de constatar que ambas pararam em um ainda alto estágio de criatividade e popularidade -, a devoção pela banda só cresceu na sequência da interrupção. No caso do Los Hermanos, a influência se alastrou e quase todo garoto ou garota que passou a criar uma banda no Brasil, assumia sua veia roqueira aliada a uma pretensão em fazer letras mais sofisticadas e sensíveis, adicionando uma forte influência da música brasileira mais ligada a MPB tradicional. Se Chico Science alguns anos antes havia deixado o legado da antena ligada para ritmos diversos de fora aliados a uma inserção nos ritmos brasileiros tradicionais, a banda carioca mostrou outro caminho.

Os frutos acabam não variando, ou se tornam cópias mal feitas  tentando seguir uma inexistente fórmula, ou influencia diretas para artistas mais talentosos do que criativos ou abre portas para um mundo que cresce para outros campos com o tempo. Nenhum dos quatro hermanos pode assumir isso como responsabilidade sua, é consequência da importância que tiveram. Cada um seguiu seu rumo, Marcelo Camelo criando uma carreira solo já com dois discos, Rodrigo Amarante participando da Orquestra Imperial e criando a banda Little Joy (a carreira solo com disco e turnê devem finalmente ganhar vida este ano) , enquanto Medina e Barba se tornaram músicos de acompanhamento de artistas do cenário nacional.

Após o recesso em 2007, a banda anunciou duas voltas para shows. Uma em 2009, abrindo as duas apresentações dos britânicos do Radiohead no Brasil, e no ano seguinte, tocando no festival SWU e em shows por três capitais do Nordeste, Recife, Fortaleza e Salvador. Nesses encontros nada de novo foi lançado, tocado ou apresentado. Apenas os principais hits dos quatro discos e nenhuma esperança de um retorno mais sólido ou alguma gravação nova.

Com o anúncio da nova turnê em 2012 em comemoração aos 15 anos da banda, a maior desde 2007, com 24 apresentações, passando por 12 cidades em várias regiões do país, com ingressos esgotados meses antes (veja datas abaixo), a expectativa era se a banda apresentaria alguma novidade. Músicas inéditas, versões, novos covers ou mesmo se decidiriam voltar para gravar algo.

20.ABR: Recife, Festival Abril Pro Rock (Ingressos Esgotados)
21.ABR:  Fortaleza, Barraca Biruta (Ingressos Esgotados)
27.ABR: Manaus, Arena Amadeu Teixeira
28.ABR: Belém, Cidade Folia
05.MAI: Brasília, Estacionamento do Ginásio Nilson Nelson
06.MAI: Salvador, Concha Acústica do TCA (Ingressos Esgotados)
07.MAI: Salvador, Concha Acústica do TCA
10.MAI: São Paulo, Espaço das Américas (Ingressos Esgotados)
11.MAI: São Paulo, Espaço das Américas (Ingressos Esgotados)
12.MAI: Porto Alegre, Pepsi on Stage (Ingressos Esgotados)
13.MAI: Porto Alegre, Pepsi on Stage
18.MAI: Curitiba, Festival Lupaluna (BioParque)
19.MAI: Belo Horizonte, Chevrolet Hall (Ingressos Esgotados)
20.MAI: Belo Horizonte, Chevrolet Hall (Ingressos Esgotados)
21.MAI: Belo Horizonte, Chevrolet Hall(Ingressos Esgotados)
24.MAI: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
25.MAI: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
26.MAI: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
27.MAI: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
31.MAI: São Paulo, Espaço das Américas (Ingressos Esgotados)
01.JUN: São Paulo, Espaço das Américas (Ingressos Esgotados)
02.JUN: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
03.JUN: Rio de Janeiro, Fundição Progresso (Ingressos Esgotados)
09.JUN: Alegre (ES), Festival de Alegre

No primeiro show, no festival Abril Pro Rock, no Recife, um público de 15 mil pessoas (recorde nos 20 anos do evento) assistiram as duas horas de show, com 29 (!) músicas tocadas e algumas gratas surpresas para os fãs carentes por novidades. A principal delas veio em dose dupla. Duas músicas novas, nunca ouvidas anteriormente, ainda sem nome, de autoria de Rodrigo Amarante, foram executadas na apresentação e ampliaram as expectativas sobre novas gravações e até um novo disco. O próprio Amarante, segundo descrição do jornalista Marcos Bragatto em seu blog, havia dito que a primeira das músicas teve o arranjo concluído durante a passagem de som, na véspera do show. Bragatto, presente no show, descreveu a música  como uma balada com um substancial crescente dramático. A outra música, executada durante o bis, foi descrita pelo jornalista como “um rockão de beira de estrada com riff pegajoso, uma gata surpresa que flerta com o som de bandas como Queens Of The Stone Age, talvez fruto da experiência internacional de Amarante com o Little Joy”. Ouça e veja as duas faixas nos vídeos abaixo:

Outra novidade foi a inclusão de músicas raramente tocadas pela banda em seus shows, como “Conversa de Botas Batidas”, do ‘Ventura’, e principalmente uma sequência matadora do primeiro disco, guardada para o fim do show, no bis: “Quem Sabe”, “Tenha Dó”, “Descoberta” e “Pierrot”, tocadas juntas e em sequência (algo não visto há muitos anos). Segundo o relato de Bragatto, o show contou ainda com mudanças sutis nos arranjos que devem marcar os shows da turnê. O jornalista conta como foram essa mudanças: “Em “Do Sétimo Andar”, por exemplo, Camelo chega a dizer que a performance ‘vai parecer a de uma banda nova’, em acordo com o discurso de Amarante, que pede para que o público prestigie as bandas novas dessa edição do festival, assim como eles foram bem recebidos em 1999. ‘Sentimental’, por sua vez, ganha um final diferente, depois de receber uma das maiores salvas de palmas da noite. “A Flor”, espécie de “sobra” do primeiro álbum, se mostra contagiante como nos velhos tempos, e, em “Deixa O Verão”, embora Amarante acredite que o público “não está muito a fim de novidade”, o discreto Rodrigo Barba manda um mini solo de bateria.”

O repertório do primeiro show variou entre dez músicas do ‘Ventura’ (“Deixa o Verão”, “O Último Romance”, “O Vencedor”, “Samba a Dois”, “Do Sétimo Andar”, “Cara Estranho”, “Além do Que Se Vê”, “Conversa de Botas Batidas”, “A Outra” e “Um Par”), seis do ‘Bloco do Eu Sozinho’ (“Todo Carnaval Tem Seu Fim”, “Retrato pra Iaiá”, “Casa Pré-Fabricada”, “Sentimental”, “A Flor”  e “Cadê teu Suin”) e cinco do disco ‘4’ (“Dois Barcos”, “Paquetá”, “Pois É”, “Morena” e “Primeiro Andar”), além das quatro citadas do primeiro álbum e duas dos discos solo de Marcelo Camelo. Veja o repertório:

Primeiro show da turnê 2012 – Recife
Set list completo

1- Além do Que Se Vê
2- O Vencedor
3- Retrato Pra Iaiá
4- Todo Carnaval Tem Seu Fim
5- O Vento
6- A Outra
7- Morena
8- Primeiro Andar
9- Mais Tarde
10- Do Sétimo Andar
11- Um Par
12- Sentimental
13- Cadê Teu Suin?
14- Acostumar
15- A Flor
16- Cara Estranho
17- Condicional
18- Deixa o Verão
19- Música nova
20- Pois é
21- O Velho e o Moço
22- Conversa de Botas Batidas
23- Último Romance
Bis
24- Música Nova
25- Casa Pré-fabricada
26- Quem Sabe
27- Tenha Dó
28- Descoberta
29- Pierrot

No embalo do retorno e da turnê da banda, a fábrica Polysom decidiu produzir em vinil quatro álbuns de estúdio mais o gravado ao vivo, ‘Los Hermanos na Fundição Progresso’ (de 2008),  e lançá-los em uma caixa. Feita sob a supervisão dos músicos do grupo, a caixa Los Hermanos está chegando às lojas no fim deste mês de abril. Com exceção do disco gravado ao vivo em 2007 em show na Fundição Progresso, os outros quatro também serão vendidos de forma avulsa. O ‘Bloco do Eu Sozinho’ e o ‘Ventura’  foram reeditados em vinil na forma de LP duplo, enquanto os outros terão forma de LP simples.

Los Hermanos

Na comemoração dos 15 anos, o Los Hermanos ganhou também uma coletânea dupla, batizada como Re-Trato, reunindo alguns dos principais artistas da música brasileira atual com nomes mais novos prestando um tributo aos cariocas. São 33 versões gravadas por nomes de estilos diversos, vindos de oito estados diferentes, como  Wado, Nervoso, Lula Queiroga, Do Amor, Maglore, Velhas Virgens, entre outros, e lançadas em dois discos virtuais disponibilizadas gratuitamente para download. Até o fechamento deste texto já haviam sido baixados mais de 40 mil vezes. Além das música, o projeto traz ainda uma série de 30 ilustrações exclusivas produzidas pela artista plástica, Luyse Costa e inspirada sem cada uma das músicas.

Coletânea Re-Trato Los Hermanos musicoteca | Disco 1 – 2012
(Download: Disco 1 – 2012 (98.29MB)

1. Todo Carnaval Tem Seu Fim – Do Amor
2. Vento – Quarto Negro
3. Morena – Tiago Iorc
4. Retrato pra Iaiá – nana
5. Último Romance – Graveola e o Lixo Polifônico
6. A Outra – Estrela Ruiz Leminski e Téo Ruiz
7. Condicional – Pélico
8. Além Do Que Se Vê – Cohen e Marcela
9. Primavera – Banda Gentileza
10. Deixa o Verão – Tibério Azul
11. Tá Bom – 5 a Seco
12. A Flor – Nervoso e os Calmantes
13. Anna Júlia – Velhas Virgens

Bônus Tracks:
14. Dois Barcos – A Banda Mais Bonita da Cidade
15. Onze Dias – Rafael Castro
16. Azedume (instrumental) – Fusile
17. Anna Júlia (english version) – Velhas Virgens

Coletânea Re-Trato Los Hermanos musicoteca | Disco 2 – 2012
Download: Disco 2 – 2012 (91.78MB)

1. Um Par – Dan Nakagawa
2. Cara Estranho – Leo Fressato
3. Sentimental – Phillip Long
4. Fingi na Hora Rir – Nevilton
5. Do Sétimo Andar – Érika Machado
6. De Onde vem a Calma – hidrocor
7. O Vencedor – Rodrigo Del Arc e Galldino
8. O Velho e o Moço – Maglore
9. Samba a Dois – Jô Nunes
10. O Pouco que Sobrou – Bárbara Eugênia
11. Conversa De Botas Batidas – Cícero
12. Pois é… – Transmissor
13. Casa Pré-Fabricada – Lula Queiroga

Bônus Track:
14. Morena – Wado
15. É de Lágrima – João e os Poetas de Cabelo Solto
16. Adeus Você – Nuvens

Completando 15 anos de carreira a banda Los Hermanos se reúne novamente depois de 5 anos separados.Se você é um dos fãns da banda não perca essa oportunidade de escutar novamente os maiores sucessos que marcaram a trajetória da banda. Compre agora mesmo seus ingressos com a Ticketbis!

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
discos eps baianos
Caiu na rede: novos discos, eps e músicas de baianos