15 clipes de novas artistas brasileiras que você precisa conhecer

Desde suas origens, a música brasileira passa essencialmente pelas mulheres. Não teria como ser diferentes nos tempos atuais, com elas cada vez mais ocupando todo os merecidos espaços. Não apenas como intérpretes, como ficaram marcadas por muito tempo, mas também como compositoras, instrumentistas e produtoras. Nesse apanhado de videoclipes destacamos 15 novas artistas da produção musical brasileira contemporânea. Novos nomes com origens de estados diversos do Brasil e que trafegam por vários gêneros, ritmos e estilos. Elas fazem parte da música brasileira atual e do futuro.

Veja também:

Juçara Marçal prepara álbum como intérprete da nova geração.
Discos: Jadsa e sua massa pra biscoito fino.
33 novos clipes de artistas baianos para você se atualizar.

Lorena Nunes – Calma

Nascida no Rio de Janeiro, mas criada em Fortaleza, a cantora e compositora Lorena Nunes tem dois discos lançados, nos quais mostra uma facilidade em trafegar pela música negra, de reggae e afrobeat a soul e jazz, temperados com uma dose pop e música brasileira.

Dani Nega – Como Noiz Quiser

Nascida no Jardim Imperador, na zona leste de São Paulo, negra e lésbica, a rapper e atriz Danieli Lima da Silva, mais conhecida como Dani Nega, lança sua carreira solo, depois de parceria com Craca. Seu rap traz elementos de chic show, samba e samba-rock.

Llari – É Assim

A alagoana Larissa Gleiss, ou Llari, apresenta uma sonoridade contemporânea, trafegando pela música brasileira, latina e africana. Em seu disco de estreia mostra sua intimidade com reggaeton, carimbó, samba, afropop, R&B e funaná.

Alulu Paranhos – Bicicletinha

Nova queridinha do pop indie e elogiada por nomes importantes da música brasileira, a carioca e compositora Alulu tem apenas 21 anos e uma proposta sólida em fazer um pop suave e quase ingênuo. Com apenas um EP lançado, reúne referências diversas nesse caldo de tempero próprio.

Gabi da Pele Preta – Revolução

Ativa como cantora, militante e professora em Pernambuco e com quase 15 anos de carreira, a caruaruense Gabi da Pele Preta prepara seu primeiro álbum. Nessa primeira canção, de autoria de Juliano Holanda, já mostra as credenciais do que vem por aí, numa proposta que passa por samba, jazz, MPB e o soul setentista.

Dora Morelenbaum – João

O sobrenome dá a pista da origem, mas a filha de Jaques e Paula Morelenbaum tem seus próprio méritos para os holofotes. Aos 24 anos, a cantora e compositora carioca lançou seu primeiro trabalho, onde mostra sua música delicada e intimista com uma bela voz sustentando as paisagens sonoras.

Carolina Sá – O Fogo Queimou

Cantora, compositora e cineasta carioca, Carolina Sá traz referências musicais do Nordeste brasileiro, do Caribe e da África em sua música. Com letras reflexivas e uma sonoridade bem construída, aos 45 anos lançou recentemente seu segundo álbum que chega acompanhado de um belo trabalho audiovisual.

Laura Petit – Sol na Virilha

Nascida em Brasília e criada em Curitiba, Laura Petit trafega por MPB, baião, psicodelia e até experimentalismos. Com dois discos lançados e uma poética bem humorada e debochada, apresenta também uma pegada pop e sensual no ponto.

Anná – Colagem

A cantora, compositora, cineasta e artista visual de Mococa, no interior de São Paulo, conta que faz “música de colagem”, o que diz muito de suas misturas de samba, funk, punk, rock, tango e forró. Com um álbum e um EP lançados, Anná mostra uma música livre, cheia de humor, ironia e referências.

Bruna Brandão – Leoa

A fértil cena sergipana apresenta mais um novo nome para prestar atenção. Desta vez a cantora e compositora Bruna Brandão, que faz um trabalho intimista baseado em sintetizadores, texturas e em sua voz doce. Ela trafega entre trip hop, dream pop e new wave e prepara seu primeiro EP para breve.

Luana Flores feat Jéssica Caitano – REZA

Luana Flores é uma cantora, coquista, percussionista, beatmaker e DJ paraibana que une os ritmos tradicionais de sua terra com música eletrônica. Ela faz uma bem azeitada ressignificação de ritmos que tem sido apresentada em singles como prévia de seu primeiro EP, Nordeste Futurista.

Marina Silva – O Que Vem de Macho Não Me Atinge

A música da cantora e instrumentista Marina Silva é totalmente desenquadrada de padrões. É MPB, jazz, rock, soul, música latina, mas nada disso comporta exatamente o que ela faz. De Rio Claro, São Paulo, a artista estreou com o ousado álbum Caótico Jazz Tropical.

Persie – Caroço Coração

Natural de Salvador, radicada em São Paulo, Persie está preparando seu primeiro álbum, mas já vem apresentando sua música através de singles, que mostram uma sintonia entre uma música pop mais refinada e elementos mais simplórios.

Bruna Lucchesi – Energia Solar

Cantora, compositora e instrumentista, aos 30 anos, a curitibana Bruna Lucchesi tem uma trajetória com bandas e em 2019 lançou seu primeiro álbum solo. Seu trabalho se destaca em composições próprias ou em versões camerísticas que unem música popular e erudita.

Marina Sena – Me Toca

Nascida na pequena Taiobeiras, no Norte de Minas Gerais, Marina Sena começou cantando ópera na loja de lingerie da tia e ganhou o mundo com a banda Rosa Neon. Ela faz um pop safado, autêntico e bem humorado, embalado por uma voz melodiosa e um jeitinho próprio.

Para quem gosta de música sem preconceitos.

O el Cabong tem foco na produção musical da Bahia e do Brasil e um olhar para o mundo, com matérias, entrevistas, notícias, videoclipes, cobertura de shows e festivais.

Veja as festas, shows, festivais e eventos de música que acontecem em Salvador, com artistas locais e de fora dos estilos mais diversos.

Leia Mais
Novos clipes apresentam a novíssima cena musical baiana